Tendências Globais para 2040 segundo o Conselho Nacional de Inteligência dos EUA

O Conselho Nacional de Inteligência dos Estados Unidos elaborou um estudo de tendências globais para 2040. No documento, foram traçados cenários diferentes e possíveis para daqui quase 20 anos: um deles é o de doenças pandêmicas, outro está relacionado aos efeitos do aquecimento global, e em seguida vem o impacto da tecnologia, principalmente através das inovações radicais e das inovações disruptivas.

Diante da pandemia da covid-19, enfrentada pelo mundo todo, passamos a nos atentar mais para a fragilidade e riscos a que estamos sujeitos. Nos próximos anos e décadas, o mundo deve enfrentar desafios globais intensos e de cascata, que vão testar repetidamente a resiliência da população.

A desaceleração do crescimento populacional e o aumento da idade média global apresentam oportunidades econômicas em potencial para algumas economias em desenvolvimento, mas estão envelhecendo rapidamente e a redução das populações em algumas economias desenvolvidas e na China vai pesar sobre o crescimento econômico.
Os países relativamente pobres da África Subsaariana e do Sul da Ásia serão responsáveis por quase todo o crescimento populacional global durante as próximas duas décadas e serão rapidamente urbanizando ao mesmo tempo, provavelmente sobrecarregando sua capacidade de fornecer a infraestrutura e os sistemas de educação necessários para aproveitar plenamente seu potencial de crescimento econômico.

Durante as próximas duas décadas, mudanças demográficas e incentivos econômicos provavelmente aumentarão a pressão para a migração de países em desenvolvimento, principalmente da África, e principalmente em países desenvolvidos em envelhecimento. O conflito e as perturbações climáticas irão agravar essas tendências de migração mais amplas.

Essas tendências demográficas e de desenvolvimento humano irão pressionar os governos a aumentar o investimento público e controlar a imigração.

Os efeitos físicos das mudanças climáticas de temperaturas mais altas, aumento do nível do mar e eventos climáticos extremos afetarão todos os países no período. Os custos e desafios cairão desproporcionalmente sobre o mundo em desenvolvimento, cruzando com a degradação ambiental para intensificar os riscos aos alimentos, água, saúde, e segurança energética.

Haverá maior ênfase na mitigação das emissões de gases de efeito estufa para alcançar zero líquido com novas tecnologias de energia e remoção de dióxido de carbono, técnicas para cumprir a meta do Acordo de Paris de limitar o aquecimento a 1,5 graus Celsius. No entanto, conforme o mundo se aproxima de ultrapassar 1,5 ° C, provavelmente dentro dos próximos 20 anos – as chamadas para pesquisa de geoengenharia e possível implantação para resfriar o planeta aumentarão, apesar das consequências possivelmente terríveis.

O debate aumentará sobre como e com que rapidez o mundo deve chegar a zero líquido, como países enfrentam escolhas difíceis sobre a implementação de cortes drásticos de emissões e medidas adaptativas. Nem os encargos nem os benefícios serão distribuídos uniformemente dentro ou entre países, aumentando a competição, contribuindo para a instabilidade, sobrecarregando a prontidão militar e encorajando conflitos políticos.

Durante as próximas duas décadas, várias tendências econômicas globais, incluindo o aumento da dívida nacional, um ambiente comercial mais complexo e fragmentado, a disseminação do comércio de serviços, novas interrupções no emprego e o aumento contínuo de empresas poderosas, são suscetíveis de moldar as condições dentro e entre os estados.

Muitos governos podem descobrir que reduziram a flexibilidade à medida que navegam mais encargos da dívida, regras comerciais diversas e pressão pública para lidar com os desafios que variam de mudanças demográficas a mudanças climáticas.

O ritmo e o impacto dos desenvolvimentos tecnológicos são suscetíveis de aumentar ao longo das duas próximas décadas, além de transformar e melhorar as experiências e capacidades humanas, oferecendo o potencial para enfrentar desafios como envelhecimento, mudança de clima e baixo crescimento da produtividade, ao mesmo tempo em que cria novas tensões e interrupções dentro e entre sociedades, indústrias e estados.

As próximas décadas verão uma competição global crescente pelos elementos principais da supremacia da tecnologia, como talento, conhecimento e mercados, potencialmente resultando em novos líderes ou hegemonias tecnológicas. A corrida pelo domínio tecnológico está entrelaçada com a evolução geopolítica e a rivalidade mais ampla entre EUA e China, mas, ao mesmo tempo, a vantagem tecnológica será aumentada por empresas que têm um foco de longo prazo, recursos e alcance global.

Tecnologias e aplicativos derivados estarão disponíveis, permitindo que os países em desenvolvimento aproveitem os avanços essenciais mais recentes.

No âmbito social, a diminuição do crescimento econômico e ganhos no desenvolvimento humano, juntamente com mudanças sociais deixaram grandes segmentos da população global sentindo-se inseguros, incertos quanto ao futuro e desconfiados de instituições e governos são considerados ineficazes.

Grupos familiares, religiosos e culturais, bem como agrupamentos em torno de interesses e causas são mais proeminentes de conflito, criando uma cacofonia de visões, objetivos e crenças concorrentes.

Populações de todos os lugares estão cada vez mais equipadas com ferramentas, capacidade, e incentivo para lutar por mudanças sociais e políticas e exigir recursos, serviços e reconhecimento de seus governos.

Fonte: GlobalTrends 2040

Equipe Técnica

Profissionais Multidisciplininares

Fale com o Autor deste Artigo

e deixe sua pergunta.