BNDES Financia a Aquisição de Empresas em Dificuldade Financeira

O BNDES, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, divulgou no dia 25 de agosto de 2016, o Programa de Incentivo à Revitalização de Ativos Produtivos.

Trata-se de uma nova linha de crédito destinada à empresas e cooperativas, com sede e administração no Brasil, que desejam adquirir a compra parcial ou integral de empresas que estão em processo de recuperação judicial, extra-judicial ou falência.

É importante salientar que a medida não é destinada apenas às empresas que entraram com pedido de RJ, mas também às empresas que se encontram sem fôlego para enfrentar a crise atual e estão sofrendo com dificuldades econômico-financeiras.

De acordo com o Serasa, no primeiro semestre de 2016, 923 empresas entraram com pedido de RJ nos fóruns e varas de falência no Brasil, um aumento significativo de 90% frente ao ano anterior.

O objetivo desta medida é auxiliar empresas saudáveis na aquisição desses ativos, mantendo a atividade produtiva aos ativos existentes e também os empregos associados à essa atividade econômica.

A iniciativa entrará em vigor a partir do dia 01/09/2016, com uma verba inicial de R$ 5 bilhões de reais, podendo ser até maior dependendo da demanda das empresas e dos reflexos do programa no mercado nacional.

Aos empresários que enxergam sinais de retomada na economia, esta nova modalidade de crédito pode ser uma ótima estratégia para aquisição de empresas sinérgicas com sua atividade produtiva e expansão de mercado.

Segundo o BNDES, entre os itens financiáveis estão unidades industriais, estabelecimentos comerciais, participação societária representativa do controle ou integrante do bloco de controle. O ativo objeto do interesse do adquirente deverá estar em fase de implantação, operacional ou desativado.

Embora a maior intenção da criação desta linha seja evitar o aumento das taxas de desemprego, ela poderá também ajudar potenciais interessados em comprar empresas com dificuldades financeiras, dando fôlego às companhias para atravessarem a crise atual e retomar os investimentos.