O papel da Governança na preparação para M&A

Em um momento de graves escândalos corporativos em empresas brasileiras, os processos e mecanismos de governança corporativa são colocados em evidência, confirmando que o uso de ferramentas de boa administração, além de serem eficientes para avaliar as estratégias da corporação, também asseguram a longevidade das empresas.

Através dos conselhos de administração, os princípios e valores da empresa serão definidos e monitorados. Também será através deste conselho que ações de auditoria serão executadas, sendo o colegiado, responsável por apurar irregularidades e possíveis desvios do código de governança corporativo.

A implantação do processo de governança pode ser desenvolvida também em empresas de pequeno e médio porte, devendo ser realizado gradualmente, pois exigirá das instituições uma nova cultura e, principalmente, total transparência de seus acionistas e conselheiros.

Muitas empresas pretendem aproveitar o momento econômico no país para ganhar competitividade. Por parte das empresas que desejam iniciar um processo de M&A, destaca-se como prioridade a preparação da empresa para realização do processo de fusão ou aquisição.

Não há dúvida que, do ponto de vista da transparência, a utilização de ferramentas de boa administração gera benefícios imensos à empresa, especialmente na preparação inicial para um processo de M&A, e posteriormente, quando a empresa precisa abrir suas portas para Due Diligence.

As empresas que possuem um ambiente empresarial onde o planejamento estratégico, balanços e demonstrações de resultado são auditados e acompanhados junto ao Conselho, transmitem maior confiança ao mercado e também possuem maior propensão de obter êxito na busca por investidores.