A Governança Corporativa: modismo ou necessidade?

A governança corporativa é um dos temas de mais recente desenvolvimento no campo da alta gestão. É uma área de conhecimento de amplo interesse e que envolve um leque aberto de questões.

Desde as relacionadas a aspectos legais, como os direitos societário e sucessório, até questões financeiras, como a geração de valor, a criação de riqueza e a maximização do retorno dos investimentos. Passam ainda por questões estratégicas, como a definição dos propósitos empresariais e das diretrizes corporativas para os negócios e as operações. E alcançam também os sistemas que regem as relações entre os acionistas ou quotistas, os conselhos de administração e a direção executiva das empresas.

Por este conjunto de interesses envolvidos, a governança corporativa certamente não é um modismo. Seu desenvolvimento tem raízes firmes. E sua adoção tem razões substantivas para se disseminar. Organizações multilaterais, como as Nações Unidas e a OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, tem as boas práticas de governança como pilares da arquitetura econômica global e um dos sistemas do desenvolvimento sustentável em suas três dimensões – a econômica, a ambiental e a social.

Não há, todavia, um modelo universal de governança corporativa. As diferenças entre os modelos praticados resultam da diversidade cultural e institucional das organizações em que são aplicadas, sempre orientadas pelo Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa, consolidado pelo IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa.

A governança corporativa tem fundamentos sólidos, definidos a partir de princípios éticos aplicados na condução dos negócios. Seu desenvolvimento e sua afirmação têm raízes micro e macroeconômicas. E sua sustentação já se estabeleceu não só pelos princípios e razões que se encontram em suas origens, mas também pelos institutos legais e marcos regulatórios que envolvem os processos de gestão e que, cada vez mais, aperfeiçoam-se com base nos valores que regem a boa governança.