Introdução ao WACC

O capital de uma empresa é constituído por: (i) capital próprio, que são os recursos aportados pelos acionistas; e (ii) capital de terceiros, que representam os empréstimos captados junto a bancos e outras instituições financeiras. O WACC é a sigla em inglês para Weighted Average Cost of Capital, que traduzindo significa Custo Médio Ponderado de Capital. Como o próprio nome diz, é uma média que pondera o custo de capital dessas duas fontes de financiamento, considerando sua representatividade na estrutura de capital da empresa.

Um dos primeiros economistas a referenciar de forma mais precisa a fórmula do WACC utilizada atualmente foi Ezra Solomon. Economista estadunidense e professor da Universidade de Stanford, Solomon menciona o WACC em seu livro Theory of Financial Management. Já a base teórica do WACC está ligada ao modelo desenvolvido para cálculo do Custo de Capital Próprio, conhecido como CAPM (Capital Asset Pricing Model ou Modelo de Precificação de Ativos Financeiros). Tal modelo tem como alicerce a Teoria das Carteiras, baseada nos estudos de Harry Markowitz, e foi originalmente proposto por William T. Sharpe (1964) e, posteriormente, por John Litner (1965), ambos também economistas estadunidenses.

Existem diversas definições do conceito do WACC na acadêmica. Uma das mais assertivas encontra-se no livro intitulado “Avaliação de Empresas | Valuation | calculando e gerenciando o valor da empresa”, escrito pela consultoria Mckinsey & Company, juntamente com Tom Copeland, Tim Koller e Jack Murrin, que diz: “Tanto credores quanto acionistas esperam ser remunerados pelo custo de oportunidade do investimento de seus recursos em uma determinada empresa em vez de outra de risco semelhante”. Nesse trecho podemos considerar que “custo de oportunidade” é direcionado pelo WACC que seria a taxa de retorno exigida pelos investidores para realizarem investimento em uma empresa ou ativo, levando em consideração o risco do mercado de atuação, o risco do setor, risco-país entre outros.

A situação mais conhecida de aplicabilidade do WACC é na avaliação de ativos, ou mais especificamente, na valoração de empresas ou Valuation. Através da metodologia do Fluxo de Caixa Descontado, o WACC é utilizado como taxa de desconto para trazer a valor presente os fluxos de caixa futuros, e assim determinar o valor da empresa. Entretanto, sua aplicação se estende a diversas outras conjunturas. Segue alguns exemplos abaixo e sua funcionalidade:

  • Análise de projetos em Geral – por exemplo, se uma empresa opera com um WACC de 15% a.a. (dado que este é o custo médio dos recursos aplicados), significa que apenas investimentos que possuírem uma taxa interna de retorno (TIR) superior a 15% fazem sentido financeiramente serem implementados;
  • Análise do Retorno Sobre Capital Investido (ROIC) – se ROIC < WACC, indica que os equipamentos estão destruindo valor da empresa;
  • Valor Econômico Agregado (EVA) – se EVA < WACC, significa que o resultado da operação é inferior ao custo de capital, logo a empresa está destruindo valor.

O WACC, então, é um instrumento de gestão financeira que se comporta como uma importante bússola para tomada de decisões financeiras-estratégicas, e seu cálculo e conhecimento é, corriqueiramente, negligenciado pelas empresas.

Fale com o Autor deste Artigo

e deixe sua pergunta.