A Importância do Planejamento Estratégico para 2021

O ano de 2020 é um marco para a humanidade. Todos nós estamos vivendo tempos desafiadores e sem precedentes. Nada é mais como antes. Os contextos econômico, social e tecnológico mudaram. As necessidades das próprias pessoas mudaram. Também as organizações foram obrigadas a adaptarem seu dia a dia rapidamente e a terem novas abordagens. Na verdade, essas são as condições de negócios mais difíceis que a maioria de nós já presenciou. Tempos como esses exigem força e coragem, e as empresas precisam traçar metas e objetivos para conseguirem superar essa fase da melhor forma.

O Planejamento Estratégico sempre foi fundamental para qualquer empresa, das startup’s às empresas centenárias e consolidadas. Afinal, traçar com clareza os objetivos de curto e médio-longo prazos e definir as iniciativas que serão executadas para o atendimento desses objetivos no cronograma estabelecido constituem o mapa mais seguro para a sustentabilidade e o crescimento em bases consistentes, embora incertezas tentem a todo momento nos desviar dos planos iniciais, o que exige grande resiliência e habilidade em adaptar-se e responder rapidamente a esses movimentos.

Se antes esse planejamento era importante, quanto mais agora, em que a pandemia obrigou todas as empresas a se reinventarem para se manterem de pé e continuarem na busca pelo crescimento.

COMO O PLANEJAMENTO PODE NOS AJUDAR MESMO EM CENÁRIOS INCERTOS E TURBULENTOS?

O Planejamento Estratégico é o mapa, o guia, para auxiliar as empresas na tomada de decisões e na direção do sucesso.

Sem diretrizes claras, é muito fácil se perder. Lewis Caroll, em seu clássico “Alice no País das Maravilhas”, tem uma citação perfeita para este contexto: “Para quem não sabe aonde vai, qualquer caminho serve”.

Ou seja, é preciso saber o caminho, e o Planejamento Estratégico exerce justamente essa função.

Winston Churchill recebeu o crédito de ter dito “planos são de pouca importância, mas o planejamento é essencial”. O resultado final mais importante de um processo de planejamento estratégico eficiente não é o plano no papel – é o desenvolvimento de uma nova perspectiva poderosa para o negócio.

Para que isso aconteça, o desenho do processo geral de planejamento estratégico é muito importante, e deve ser feito envolvendo as pessoas corretas e, mais ainda, buscando-se fazer as perguntas que levarão de verdade a uma análise estratégica bem fundamentada e à adoção dos melhores caminhos.

Dentro de um Planejamento Estratégico realmente eficiente, são abordadas fases importantes, como:

* Execução de um diagnóstico correto e detalhado para entender o real contexto da empresa. Isso se faz olhando para dentro e para fora dela. Uma das ferramentas mais utilizadas para este fim é a Análise SWOT, em que são analisadas as Forças e Fraquezas (análise interna), como por exemplo os diferenciais competitivos e as melhorias possíveis, e as Oportunidades e Ameaças (análise das condições externas e do mercado), como por exemplo a situação econômica do país e a concorrência;

* Definição – ou revisão – da Missão, Visão e Valores, que mostram claramente o porquê da empresa existir e onde ela quer chegar no futuro, além dos princípios que norteiam sua cultura e seus colaboradores;

* Definição de Objetivos e Metas a serem alcançadas, tanto as financeiras (faturamento, lucratividade, retorno do investimento etc.) quanto as não-financeiras (índices de qualidade, turnover, participação de mercado etc.). É importante, aqui, que sejam definidas as prioridades por ordem de relevância para o momento atual da empresa. Afinal, o cerne do planejamento estratégico é decidir as melhores iniciativas, ações e projetos nos quais investir tempo, energia e recursos;

* Definição de um Plano de Ação, que vai detalhar o “roadmap” para a Execução da Estratégia, a fim de que os Objetivos e Metas sejam atingidos, incluindo os responsáveis e o cronograma com os prazos de execução;

* Acompanhamento e Direcionamento, onde serão feitas eventuais correções de rota e ajustes. Afinal, o Planejamento Estratégico não é algo estanque, mas um conjunto de hipóteses (bem fundamentadas, é claro) que podem ser continuamente refinadas. Neste processo de acompanhamento, é vital ir identificando os vários caminhos potenciais e especificando os pontos de gatilho que irão preparar decisões e ações futuras em momentos apropriados. Isso abre espaço até mesmo para revisões formais do Planejamento Estratégico durante o ciclo em curso, afinal, novos insights e necessidades surgem de repente.

O LINK QUE FALTA ENTRE ESTRATÉGIA E EXECUÇÃO

Se o Planejamento Estratégico de sua empresa é coerente e sua equipe está trabalhando muito e conta com os recursos adequados, mas você ainda não está vendo os resultados esperados, pode ser que os esforços estejam sendo feitos numa direção inapropriada. E pior, pode estar faltando um elo importante entre estratégia e execução. Trata-se de uma etapa crítica no processo de Planejamento Estratégico, conhecida por Desdobramento da Estratégia, que nada mais é que a tradução da estratégia em um plano de execução organizado, racional e fácil de entender por parte dos colaboradores e lideranças.

O objetivo do desdobramento é ajudar a garantir que as pessoas que estão executando as estratégias entendam – e sejam responsáveis ​​por – sua função específica para alcançar o sucesso.

Existem inúmeras ferramentas, técnicas e modelos de implantação de estratégias.

Dentre elas, os OKR’s (Objetivos e Resultados-Chave) têm se mostrado como a mais eficiente metodologia para o Desdobramento da Estratégia e a sua eficaz Execução. Essa metodologia, que nasceu na Intel e se tornou mundialmente conhecida por ter sido adotada pelo Google quando ainda era uma Startup (veja as origens dos OKR’s neste artigo), vem se mostrando altamente eficaz enquanto instrumento de foco para as equipes e alinhamento entre elas e a Visão da empresa. Os Objetivos mostram, a partir do Planejamento Estratégico, O QUE deve ser feito, e os Resultados-Chave mostram COMO eles podem ser atingidos, além de servirem como medição do sucesso de cada meta. Como suporte aos OKR’s, devem ser definidas as iniciativas e ações que estão na alçada das equipes executarem para que cada Resultado-Chave seja atingido.

Outra metodologia relevante e muito eficaz é o BSC – Balanced Scorecard. O BSC é um modelo de gestão estratégica idealizado pelos professores de Harvard, Robert Kaplan e David Norton, que propõe o equilíbrio entre os objetivos de curto e longo prazos, as medidas financeiras e não-financeiras, as perspectivas interna e externa da empresa, quebrando o mito de que um negócio de sucesso precisa focar somente em indicadores financeiros e contábeis. Para isso, esta metodologia se apoia em 4 perspectivas: financeira, do cliente, dos processos internos e do aprendizado e crescimento.

O Balanced Scorecard é uma ótima ferramenta para otimização de desempenho, e serve para definir estratégias e desenhar planejamentos de maneira bastante abrangente. Para isso, faz uso do Mapa Estratégico, que é um quadro visual que contempla o detalhamento das 4 perspectivas acima citadas juntamente com seus objetivos, ações, indicadores e metas. Essa metodologia dá uma ampla visão  do planejamento, ajudando os colaboradores a entenderem – e melhor executarem – as principais metas da empresa.

Ao liderar e gerenciar a ligação entre estratégia e execução, portanto, é possível  impulsionar grandes melhorias para seus resultados sem alterar sua estratégia ou sua equipe de execução.

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO ANDAM JUNTOS

Planejamento e Execução Estratégica são matérias básicas das empresas, e nos dias atuais, são mais essenciais que nunca, e devem caminhar juntas. As empresas realmente inteligentes, que querem continuar no mercado e crescer, estão focando nas prioridades, tomando decisões rápidas e adaptando a estratégia como parte de uma resposta à crise.

Já foi dito que muitas vezes “escrevemos certo por linhas tortas”. A pandemia é uma linha torta – que não poderíamos ter previsto. Ter um excelente Planejamento Estratégico é a ação mais inteligente para escrever certo nessa linha. E fazer de 2021 um ano diferente. E muito melhor.

Gustavo Franceschi

Estratégia e Inovação

Fale com o Autor deste Artigo

e deixe sua pergunta.