Sucessão forçada

Infelizmente, é com frequência enorme, que ouço empresários dizendo para seus filhos:

"Vocês vão ser meus sucessores na empresa"

Os pequenos infelizes, já nascem vice presidentes, e por osmose devem aprender todas as técnicas de administração, finanças, produção, vendas, etc., etc, etc. Grandes conflitos à vista! Quantas vezes fui obrigado a intervir junto aos pais presidentes, acionistas ou " donos" como adoram ser chamados, alertando sobre a falta de desejo de seus filhos em seguir seus passos.

Além da falta de desejo, não é raro encontrar a falta de talento. Trazer estes jovens para o mundo dos negócios pode ser catastrófico. Sempre afirmo: deixe seus filhos fazerem a própria escolha. Induza-os a estudar e se especializar conforme as aspirações e talentos deles, e não os seus. Isto não significa o fim de seus negócios. Muitos empresários vendem suas empresas, afirmando não terem sucessores entre seus filhos. Não há necessidade de extremismos como este.

Caso um de seus filhos siga seus passos, e seja realmente a pessoa certa para dirigir os negócios da família, procure com que ele se prepare muito bem antes de assumir as funções empresariais. Caso contrário, apoie a opção deles por outra profissão, e estruture uma boa Governança Corporativa em sua empresa, de modo a ter profissionais do mercado na diretoria executiva do negócio, e os parentes em Conselho de Administração e de Família, assessorados por especialistas, que os ensinem a ler relatórios, balanços e balancetes, e a deliberar sobre as questões apresentadas nas reuniões.

Tenho visto empresas de diversos portes, dirigidas com competência, por profissionais contratados, com seus acionistas médicos, advogados, engenheiros, entre outras profissões, extremamente felizes e realizados, sabendo analisar dados, e deliberar através de excelentes participações em Conselhos.