O Diagnóstico Econômico

Crise! Dívidas! Queda no Faturamento! Falta de Lucratividade! Demissões! São expressões já incorporadas ao vocabulário do dia a dia dos empresários e funcionários das empresas no Brasil.

Desde o início da crise em 2008, há uma enormidade de negócios passando por dificuldades, sem ter um rumo a seguir, sem ajuda governamental no que se refere à carga tributária, ou política de investimentos, como uma agência de fomento que funcione, ou sistema financeiro (banco) que não seja predatório. O mundo empresarial está só, em nosso país! O melhor caminho para a sobrevivência é ter o exato conhecimento, de forma profissional e pormenorizada, da real situação econômica e financeira de seu empreendimento. Um diagnóstico econômico bem elaborado parte de informações contábeis (quando existem), financeiras e gerenciais, que permitam a elaboração de uma verdadeira radiografia da real situação da empresa, de forma a fornecer premissas para projeções e construção de cenários. Contendo uma estrutura orçamentária e fluxo de caixa projetados, através do diagnóstico econômico, são detectados pontos fracos e fortes na estrutura do negócio, possibilitando uma análise profunda, a prescrição das recomendações para que se corrijam os possíveis pontos de incongruência, e que os pontos fortes se perenizem. É amplamente utilizada por empresários e dirigentes de empresas, como forte ferramenta de análise e de definição de diretrizes. Advogados e Contadores, também têm visto o diagnóstico econômico, como excelente fonte de subsídios para suas análises e pareceres.