Fusões e Aquisições para melhores resultados

Em épocas de crise como a atual, nem sempre as empresas alcançam suas metas e conquistam novos clientes. Nestes momentos, os empresários se mantém atentos às expectativas de seu mercado de atuação e qualquer sinal de retomada, ainda que sutil, é celebrado.

Em momentos como estes, para manter suas organizações eficientes, os acionistas devem ter em mente estratégias sólidas para empregar os recursos mínimos e alcançar os objetivos de curto e longo prazo.

Algumas empresas tentam manter seu mercado através de preços competitivos, embora essas empresas concentrem-se em gerenciar com unhas e dentes seus custos, é inevitável que com a redução de preços, sua margem de mercado também retraia. Outras empresas preferem manter sua margem, no entanto, precisam sujeitar-se a um mercado menor de atuação.

Frente a este cenário, é válido que os gestores avaliem a oportunidade de competir em novos mercados utilizando como estratégia de crescimento, por exemplo, aquisições por meio de integrações vertical, horizontal ou diversificação.

O primeiro passo para avaliar um processo de aquisição é identificar uma vantagem competitiva que torne a aquisição de um novo negócio uma estratégia eficiente para otimizar margens de lucro, custo e para expandir mercados.

Através de uma integração vertical é possível uma redução de custos significativo no processo produtivo, sob outra perspectiva, através de uma integração horizontal é possível conquistar aumento considerável no porte e participação da empresa em seu mercado de atuação. Se utilizada a estratégia de diversificação, pode-se considerar maior eficiência em seu mercado, podendo ser uma estratégia para redução de custos com a unificação das unidades fabris.

Em conclusão, independente de quais sejam os objetivos traçados para uma aquisição, é elementar que o processo seja delineado de maneira eficiente. Um projeto bem planejado e executado com diligência trará boas oportunidades e ótimos resultados.