Fusões & Aquisições: Transações Estratégicas no Setor Alimentício

No segundo bimestre de 2017, a redução da Selic para 11,25% e os rumores de melhores expectativas da economia, tendem a forçar a redução das taxas de juros praticadas pelo setor bancário e impulsionar as renegociações de dívidas.

Embora os escândalos políticos tenham atingido os mercados de câmbio e bolsa de valores, o número de fusões e aquisições no mercado interno vem se alavancando e a percepção de boutiques de M&A e banqueiros de investimento é que a economia brasileira está em um ponto de inflexão, trazendo ânimo novo para potenciais compradores.

No setor alimentício, transações de private equity e investimentos em participação acionária vêm sendo anunciadas, como exemplo, a aquisição de 20% do capital social da brasileira CBL Alimentos, antiga Betânia, empresa alimentícia especializada no processamento de leite e produção de derivados, com unidades industriais no Ceará, Pernambuco e Sergipe. Outra transação relevante no setor é a aquisição de 40% dos Laticínios Porto Alegre pela EMMI, empresa suíça de laticínios, fortalecendo a atuação da empresa na América do Sul, atestando o interesse de empresas estrangeiras pelo potencial de consumo de laticínios no Brasil.

Em momentos de recuperação de crise, problemas de liquidez e retração do consumo, o tema Fusões e Aquisições se aquecem e se tornam uma forte estratégia para reestruturação de empresas. Tratando do setor alimentício, embora as transações ocorridas nos últimos anos tenham alto valor, o segmento ainda é muito regionalizado e pulverizado, tornando este mercado um forte alvo de consolidação por aquisições.