Avaliação de Empresas Privadas: Fluxo de Caixa Descontado

Como comentado no artigo sobre os múltiplos de mercado, entendo o fluxo de caixa descontado como o método mais adequado na avaliação de empresas, por captar as particularidades específicas da Companhia avaliada.

Caso não tenha lido a matéria sobre múltiplos de mercado, clique aqui.

Esse método consiste em realizar a projeção do fluxo de caixa esperado, normalmente pelos próximos 5 anos, e trazê-los a valor presente por uma taxa de desconto estabelecida.

O planejamento e estudo das diversas variáveis que influenciam nesse modelo é uma tarefa árdua, mas não é toda parte do trabalho, fatores complexos precisam de muito estudo e coerência para uma avaliação consistente e realista. Do valor de uma empresa, em média, 65% corresponde a perpetuidade calculada no 5º ano.

Além disso, outros fatores importantes como os prazos dos meios circulantes, como contas a pagar, contas a receber, estoques, podem causar um significativo impacto no fluxo de caixa da empresa. Pode-se ter um excelente resultado, mas com ciclos financeiros altos, boa parcela do fluxo de caixa é consumida e o valor da empresa reduzido. Uma eficiente gestão de prazos pode trazer variações consideráveis no valor de uma Companhia.

Não obstante, mais um fator decisivo, refere-se à taxa de desconto eleita. Com o mesmo fluxo de caixa, pode-se obter valores muito diferentes apenas alterando essa premissa. Em uma faixa de taxa de desconto entre 13% e 22% ao ano, pode-se ter uma diferença de valor de mais de 70% para cima ou para baixo, uma amplitude considerável. Alterando apenas uma premissa das variáveis que compõem essa taxa, como o prêmio de tamanho, por exemplo, já é possível causar essa variação.

Muitos fatores devem ser considerados ao se avaliar uma empresa, e o que considero mais importante, é que cada um deles deve ser coerente, consistente e convincente.